segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Sobre jovens e baladas

Não sei se todo mundo que lê esse blog sabe, mas eu sou um cara jovem. O natural de todos os jovens é ser descolado, moderno (em alguns casos ser [quase todos] ser um tanto babaca), e... gostar de balada.
A parte estranha, é que mesmo eu tendo ainda 20 anos, não sou nem um pouco descolado, moderno nem se fala, e a parte da balada, nossa, não gosto nem um pouco.
Claro que quando um jovem fala que não gosta de balada, as pessoas pensam “ah, esse é só mais um querendo parecer intelectual”, mas quem me conhece sabe que não é o caso, pois pra mim, a única coisa pior que jovens baladeiros, são os jovens pseudo-intelectuais. Se eu estou falando que não gosto de balada, é por que eu não gosto e só!!!
Como já é de se esperar, eu não vou apenas dizer que não gosto, claro que vou explicar o por que disso.
Primeiro, as pessoas só vão para este tipo de lugar com três intuitos: Dançar, beber e pegar mulher.
Quanto a dançar, eu não sei, não gostaria de saber e não vou dizer que tenho raiva de quem sabe, pior, eu pouco me importo com quem sabe. Pra mim a dança é só uma coisa desinteressante. Enfim, não vejo a menor graça. Ainda mais no caso das músicas que tocam em balada, se fosse algo como um tango, ou valsa, eu até diria que dançar colado com uma gata pode ser interessante, mas ficar ao som de música eletrônica balançando o corpo como se estivesse em meio a um ataque epilético, não é a minha praia.
Em relação a beber, tá, tem lá o seu lado legal, gosto de tomar uma cerveja. Mas nesses lugares as pessoas costumam beber MUITO, e quando se bebe muito, corre-se o risco de fazer besteira, e eu tenho medo disso, por isso também não iria a uma balada pra beber, prefiro fazer isso em casa de forma controlada.
E o maior problema, é que além da bebida, em ALGUMAS baladas, as pessoas costumam usar drogas. Eu prefiro não expor a minha opinião sobre as drogas, por que tenho medo de represálias por parte de quem usa. Quem me conhece sabe que tenho medo de drogados (eu sei que eles são capazes de muitas coisas).
E quanto a pegar mulher, claro que eu acho simplesmente sensacional, mas não desse jeito. É claro que eu não quero ir pra uma balada pegar uma pessoa que eu nunca vi na vida, correndo o risco de contrair uma DST ou alguma dessas coisas assustadoras (leia AIDS), tenho medo dessas coisas. Prefiro pegar (mulher não se pega se conquista kkkkkkkk) alguém que eu conheça e tenha certeza de que irei continuar saudável depois disso.
Além desses motivos, tem algumas coisas em baladas que eu “não sou muito fã”. Por exemplo: DJs e Barmans. Claro, eu sei que todo trabalho é digno, esses caras estão apenas trabalhando, e muita gente gosta do que eles fazem. Eu só respeito (assim como respeito todo mundo que trabalha de forma digna), mas gostar, gostar mesmo, aí eu não posso dizer. Sei lá, eu gosto mais de um lugar onde tem uma banda TOCANDO música, ou até aqueles cantores que fazem shows de MPB em barzinhos, mas ver um DJ apertando botões e erguendo as mãos não faz muito meu estilo. E barmans, também respeito, mas eu sinceramente preferia que ele simplesmente colocasse a bebida no copo de uma forma mais rápida, sem fazer aquelas graças todas. Mas nada contra, tem gosto pra tudo, o que seria do azul se todo mundo gostasse do amarelo (#clichê).
E o maior dos motivos pelo qual eu não freqüento esses lugares, é que uma grande parte do publico, são aqueles caras usuários de anabolizantes, que dirigem o carro dos pais, e tacam fogo em mendigos. Nem preciso falar que não sou muito “amigo” desses caras, e claro, se um cara com o meu estilo se misturasse a eles, provavelmente não gostariam desse cara (no caso eu) e o espancariam.
Concluindo, eu não vejo a menor graça em balada, não freqüento, não quero freqüentar, mas também não quero que pensem que sou preconceituoso (em todo post, no final eu tiro o meu da reta, então nesse não vai ser diferente). Se você gosta, vá e pronto. Não é por causa de um post em um blog que você vai deixar de fazer o que gosta, isso aqui é só um texto, não é pra influenciar ninguém a nada, façam o que quiserem, eu não to nem aí.

Nota do editor: Acredito que esse post não terá comentários, mas se algum “jovenzinho modernão baladeiro” ler, aposto que irá comentar algo como: “Melhor ir na balada do que ficar durante o fim de semana sozinho em casa escrevendo em blog, seu babaca”.
Aposto que vai ter isso, esses caras são previsíveis.
Enfim, é isso. Abraços, e até o próximo post...

5 comentários:

  1. Concordo em praticamente tudo, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Nossa!! Você conseguiu expressar tudo e mais um pouco sobre o que eu penso sobre as baladas...Parabéns, concordo plenamente!!

    ResponderExcluir
  3. Cara, eu concordo contigo. Tenho 24 anos e gosto pouco de balada também, mas eu diria que você tem um pouco de preconceito com o pessoal que vai. Não necessariamente é um cara malhado da academia que tomou bomba. Às vezes é uma pessoa normal (como eu e você) que está tentando se adaptar ao que a sociedade diz para se fazer...Costumo dizer que quando ficamos adultos nossas diversões parecem que se encaixam em três grupos: comer mulher, beber, comer comida... hábitos altamente "corporais",isto é, que exigem pouco do cérebro... Infelizmente, é o que se preza atualmente!

    ResponderExcluir
  4. Eu também sou assim, e percebo que as meninas não se atraem muito por homens do nosso tipo, mas acho que não compensa fazer o que não gostamos para conseguir mulher, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  5. Você gosta de tomar uma cerveja pois você tecnicamente também é um drogado dã kkkk

    ResponderExcluir