quarta-feira, 17 de agosto de 2011

E tudo por causa de uma câmera...

Era uma manhã de sol, sem demora saltou da cama animado. Aquele sem duvida seria um grande dia. Foi ao banheiro lavar o rosto e da cozinha ouviu uma voz chamando seu nome. Era sua avó, convidando-o para tomar café
Ao sentar-se em sua cadeira viu sobre a mesa um copo com um líquido de cor rosada. Leite com Quik de morango, aquela bebida que ele tanto amava e que o fazia feliz todas as manhãs. Enquanto bebia e saboreava uma torrada com Nutella que sua vovó carinhosamente preparou, disse:
- Vó, é hoje que você vai comprar minha câmera nova, né?
Pobrezinho, havia acabado de conseguir um emprego. Ainda não tinha dinheiro suficiente para conseguir realizar seus sonhos de consumo. Queria impressionar um amigo que tinha uma câmera melhor que a sua. Mas sua avó o ajudaria.
- Hoje mesmo Felipe, tome seu café e já vamos para a loja.
Mais do que depressa engoliu tudo o que estava sobre a mesa e foi se vestir. Sua avó cuidadosamente penteou seu cabelo, fazendo aquele topete que ele tanto gostava de usar. Ela se divertia, achava o neto moderno.
Quando chegou na loja, já sabia o que queria. Foi logo perguntar a um vendedor qual era o valor daquilo que ele esperou por tanto tempo para que pudesse adquirir.
No entanto, juntamente com a resposta do atendente da loja, veio a decepção. Era mais caro do que imaginara. No momento sua avó não tinha condições financeiras de realizar o sonho do neto.
- Tudo bem Felipinho, depois que minha aposentadoria do mês que vem chegar, nós voltamos aqui e eu compro pra você - disse aquela senhorinha com um sorriso no rosto. Mas ele era um garoto difícil, não podia esperar, queria sua câmera naquele exato momento.
- Não ! Eu quero agora ! Eu quero gravar meu vídeo hoje. Essa loja está cobrando mais do que ela vale. Não é possível que ninguém faça nada para acabar com esse comércio que cobra preços abusivos sem pensar no consumidor - dizia enquanto soluçava de tanto chorar.
Mas não teve jeito. Voltou para casa sem a sua tão sonhada câmera. Não poderia dizer para seu amigo que também tinha uma e que a partir daquele momento seus vídeos também seriam de boa qualidade.
Mas ele não era um garoto de personalidade fácil. Precisava fazer algo para se vingar dos comerciantes capitalistas e do governo, que o impediram de realizar seu sonho de ter uma câmera nova.
Então teve uma ideia. Utilizou a antiga filmadora que tinha em casa (que era bem inferior à de seu amigo. Um rapaz magro, com alto grau de estrabismo e que também gravava vídeos), e fez seu protesto: Expressou toda sua revolta clamando para que a sociedade se mobilizasse e lutasse para que o governo baixasse o valor dos impostos, fazendo com que os comerciantes cobrassem preços mais justos.
- PREÇO JUSTO NESSA PORRA !!! - Gritava expressando toda sua rebeldia. Sua avó ficou horrorizada com os palavrões que escutava aquele garoto dizer no quarto (mais tarde isso lhe rendeu boas palmadas de sua mãe, e o castigo de uma semana sem poder assistir Harry Potter).
Mas conseguiu. Com aquela manifestação cheia de revolta e desejo de justiça, a sociedade o ouviu. Poucos foram os que ao assistir o vídeo daquele jovem não se revoltaram contra o sistema. O Brasil entrou em anarquia. A mídia apoiava o garoto. Aconteceu uma revolução...
Frente à situação que o país passava naquele momento, o governo não viu outra escolha: teve que diminuir o valor dos impostos. Com isso a situação financeira do cidadão brasileiro melhorou de forma extraordinária. Pagando menos impostos, sobrava mais dinheiro para investimentos pessoais.
Em pouco tempo, as famílias de baixa renda que outrora mal podiam fazer as despesas do mês, agora podiam até guardar dinheiro na poupança, ou fazer seus investimentos. A revolta e ousadia do rapaz, que nunca teve medo de falar o que pensa, fez com que a economia de todo um país tomasse novos rumos.
E tudo isso por causa de uma câmera...

Nenhum comentário:

Postar um comentário